E3 2017: Mas eu nem mesmo gosto de videogames


O texto a seguir é uma parede de texto sem revisão e sem imagem alguma simplesmente porque eu não estou com paciência para isso.

Sabe, eu não entendo. Eu vejo todo mundo comemorando, vibrando e surtando por anúncios e eu estou completamente indiferente a eles. Aliás, acho que nunca fui tão indiferente em relação a uma E3 como eu fui com essa, a começar com a conferência da EA, que eu literalmente não pude assistir e nem sequer me lamentei que iria perdê-la. Continuar lendo “E3 2017: Mas eu nem mesmo gosto de videogames”

“Obituário” ou “Meus pensamentos a respeito do fim da Alliance”

fimdaalliance

Hoje, 03/07, escrevo este texto. Eu já havia ponderado a respeito do assunto algumas vezes, mas agora acredito que não tem mais volta. Fechei a Alliance para valer. O post de anúncio diz respeito ao portal. O que está aqui, diz respeito somente a mim, opiniões particulares. Um não tem nada a ver com outro, encare-os de forma separada. Continuar lendo ““Obituário” ou “Meus pensamentos a respeito do fim da Alliance””

Cinco anos de ereção prolongada

Aqui você vai encontrar um texto que no word rendeu um pouco mais de quatro páginas e não vai ter absolutamente nenhuma imagem para ilustrar a leitura e fazer parecer menor do que é. Esteja avisado.

Hoje, dia 4, é o quinto aniversário do Horny Pony. Quando abri o blog em 2011, nunca imaginei que ia ter saco para continuá-lo. A ideia foi de um blog antigo de um colega meu na época, o Mizuiro, que era dono do Pizza Time. Aí eu gostei do estilo que ele tinha e quis fazer algo também. Válido ressaltar que eu estava meio órfão de espaço para escrever porque a Nostalzine Club tinha se encerrado com 25 edições (algo que, pessoalmente, considero marcante). Desde então, escrevi coisas boas e besteiras. Coisas que estão ocultadas por vergonha. Coisas que hoje fogem totalmente do padrão do blog por terem uma ênfase meio pessoal, algo que eu praticamente aboli daqui – digo, vida particular, não opiniões pessoais. Acho que muitos dos que eu considero meus melhores textos, modéstia à parte, estão aqui, em algum lugar. Continuar lendo “Cinco anos de ereção prolongada”

[PonyExpress] JoJo no Brasil – Parte 3


Já está no trecho, em 57:59.

Parte III porque é a terceira publicação que faço sobre essa novela desgraçada. Dessa vez, vou até me abster de opinião, está postado o vídeo onde a própria editora da Panini fala a respeito e vou quotando exatamente como ela fala e explicando, já que aparentemente ninguém sabe interpretar texto. Continuar lendo “[PonyExpress] JoJo no Brasil – Parte 3”

Star Wars: O Despertar da Foice (E do Martelo)

Para nota: Esse texto foi escrito em sua maior parte no dia 13/12/2014 e concluído apenas recentemente.

Apesar de sempre trabalhar aqui com textos de cunho especificamente culturais, como as análises de animes, videogames e derivados, eu sempre tive uma inclinação muito forte à política. Não política no sentido de ser um parlamentar ou militar por algum dos lados (eu geralmente deixo esse tipo de discussão e atitude para quem NÃO entende de política), mas por gostar de analisar o tema como um observador mais quieto mesmo. Ver a política como uma ciência, observar todos os pontos de vista, em vez de abraçar um estilo de vida coxa ou petralha. Continuar lendo “Star Wars: O Despertar da Foice (E do Martelo)”

Meus Mangazinhusss!!

O primeiro mangá que comprei na vida foi Fullmetal Alchemist. Aquele, em meio tanko e publicado em 2006 ou 2007 pela JBC (eu cheguei a comprar o Electric Tales of Pikachu que a Conrad publicou em forma de gibi quando era moleque, mas esse não conta). Como Fullmetal era e ainda é minha série favorita (foi mal, JoJo), acabei comprando sem pestanejar. Na época, eu nem sabia dessa história de meio tanko e tanko inteiro e achava R$6,50 uma bagatela perto dos mangás a R$9,90 a Panini. É claro que eu sou de humanas e ignorei o fato de FMA ser quinzenal, ser menor e acabar custando R$13,00 por mês enquanto a Panini cobrava quase R$10,00, mas isso era detalhe. Continuar lendo “Meus Mangazinhusss!!”

O CG – Caralho Gigante – de Sidonia

Nesses últimos dias eu comecei a assistir Knights of Sidonia graças à indicação feita pelo amigo JoJo Rama no último PonyAwards. É uma série bem bacana. É praticamente um Neon Genesis Shingeki no Kyojin in the Fucking Space. O que mais me chamou a atenção, contudo, é a direção artística. A série é completamente naquele estilo de CG Cel Shaded que mantém as características de animação – diferente daquele CG feito nos filmes da Pixar e da Disney (como Detona Ralph), que trabalham com texturas e um sombreamento mais verossímil. Continuar lendo “O CG – Caralho Gigante – de Sidonia”

Marvel e a Nolanficação em Demolidor

De início, já vou colocando que o Agents of SHIELD é uma merda. Por isso, já adianto que qualquer menção a ela será colocada como SHIT. Em seguida, não é de agora que a Marvel já cansou. Desde Homem de Ferro 3 (que foi uma bosta) ela não se atreve a fazer algo realmente diferente (só Guardiões da Galáxia e, talvez, Capitão América 2). Ela segue a mesma santa fórmula de contar história, repetindo um padrão infinito com 120 piadas por minuto, contando com a certeza de que vai vender pelo simples fato de lá existir o logo “Marvel”. Agents of SHIELD é só um símbolo de que agora, Marvel é sinônimo de pulga atrás da orelha. Cantava a bola de que Vingadores 2 vai ser fraco desde o lançamento do primeiro trailer, com o Ultron que é a cara do Ronaldinho Gaúcho. Continuar lendo “Marvel e a Nolanficação em Demolidor”

[DIRECTOR’S CUT] Ponyawards 2014


Como de costume, o primeiro post posterior ao PonyAwards (que fecha o ano letivo do Horny Pony) é composto basicamente de comentários meus a respeito da organização da parada toda. De início, afirmo que esse ano quase não teve PonyAwards. É, eu fiquei os últimos 6 meses do ano sem ver anime algum, até que no começo de 2015 agora o Danny chegou pra mim perguntando se ia rolar ou não e eu acabei mudando de ideia. Para conseguir ter algum conteúdo sobre o qual dissertar, peguei a mania de assistir anime em modo Turbo, usando velocidade de 1,7x a 2,3x para perder menos tempo e conseguir ver séries inteirar numa única tarde, por exemplo. Continuar lendo “[DIRECTOR’S CUT] Ponyawards 2014”